Mês: julho 2010

O que estou lendo

De volta a boa e velha leitura econômica, que como alguns sabem é minha área de formação,, iniciei a pouco a leitura de um compêndio de artigos reunidos em ordem cronológica de publicação do autor e ex-ministro Luiz Gonzaga Belluzzo. Sempre tive boa impressão do autor, fato que se confirmou na leitura de mais esse livro sobre os antecedentes da crise dos Sub primes Norte Americanos que vieram por eclodirem em uma das mais graves crises do sistema financeiro e bancário internacional dos últimos setenta anos.

Ainda na metade do livro, leitura um pouco lenta é verdade, venho a cada capítulo tomando conhecimento de detalhes aliados a excelente revisão de literatura e de conceitos em teoria econômica. Confesso que tenho me surpreendido com as análise muito bem estruturadas e claras, apesar de profundas e densas em conceitos econômicos. As alusões a grandes pensadores econômicos como Keynes, Shumpeter dentre outros tem enriquecido a leitura e propiciado a mim recordar tempos de estudos econômicos de faculdade.

O ponto negativo, mesmo que pequeno em relação ao tamanho e pretensão da obra como um todo, fica por conta de alguns comentários claramente de esquerda que não me atrevo, claro a contestar, mas que por vezes soam como tom exageradamente emocional, fruto talvez da parceria na escrita com a não menos brilhante Maria da Conceição Tavares.

Por fim o livro vale muito a pena e a qualidade dos artigos de Belluzzo impressiona. Trechos excepcionais de destaque até o momento ficaram por conta dos comentários acerta da globalização. Destaque até agora ficou a famosa expressão: “ contrabando ideológico” (BELLUZZO, Luiz Gonzaga de Mello in: Os Antecedentes da Tormenta – Origens da Crise Global) quando o autor se refere à globalização e ao modo como o conceito vem sendo empregado a revelia por ai. Enfim leiam neste livro recente Belluzzo surpreende e cria um ambiente muito propício a se entender profundamente as questões econômicas e também de teoria econômica associadas à crise recente.

Reflexo

Sozinho…

Aqui sozinho, vasculho-me.

Reflito, sinto, sofro.

Sozinho!

Vasculho-me.

Vejo-me.

O que sou?

Uma espécie de compêndio do mundo meu?

Meu mundo!

Um compêndio do meu mundo?

Meu mundo não é meu.

Meu mundo é o mundo dos outros!

Droga!

Serei eu um reles reflexo do mundo dos outros?

Serei eu um reles reflexo?

Sufocado, luto contra imposições.

Luto, contra convenções do mundo.

Vejo a mim, imagem refletida.

Janela escurecida pela noite.

Vejo a mim…

Serei eu um reles reflexo do mundo?

Serei eu um reles reflexo?

Não suporto-me!

Abro a janela e olho para o mundo.

Mundo? Que mundo!

Serei eu um reles reflexo do mundo?

Serei eu um reles reflexo?

Esse sou Eu?

Sim, esse sou eu.

Apenas e tão somente um reles reflexo do mundo.

Sim sou eu.

Apenas e tão somente um reles reflexo de tudo.

Sou em Ti

A razão me escapa.

Nesses dias em que o amor foge de mim,

Procuro me preencher em você.

Busco em mim forças.

Não encontro nada!

Busco a ti e não encontro.

Onde estais?

Volto em mim e sem você, escapa-me o amor.

A razão fugira.

Sobrara eu… Um vazio

O vazio!

Eu sem mim.

Busco a ti e não encontro.

Onde estais?

Busco a mim, e não me encontro.

Perdera-me?

Procuro, observo, detesto!

Busco a mim.

Encontro-me em ti.

Onde estou?

Quem sou?

Eu?

Sou em ti.