Partitura

Imagem

Libertou-se do trabalho naquele dia aparentemente normal. Foi para casa automaticamente sem pensar em nada. Sentiu-se feliz com sua vida. Preocupou-se com as contas a pagar. Sorriu para estranhos a caminho de casa. Caminhou sem pressa.

Chegou em casa. Teve vontade de manter a dieta. Faltou convicção. Abriu a geladeira. Comeu demais. Não estava para conversas, mas conversou com seu cão. Sempre considerou normal conversar com cães, mas só aqueles com os quais tinha amizade.

Vagou pela casa, não sabia por onde começar. Refletiu. Decidiu nada fazer. Aquietou-se no sofá. Cochilou. Acordou. Os olhos permaneceram fechados. Escutara acordes de uma música que o lembrara as obras de Schubert. Sentiu bem, até que pensou por um instante e então foi tomado de um pavor inexplicável.

Continuou inerte procurando mentalmente explicações possíveis que esclarecessem a origem da música. Não obteve êxito. Amedrontou-se pensando ser o emissário do designo a lhe preparar para partir. Sentiu um peso incomum no tórax e uma dor intensa no abdômen.

Ainda sem saber explicar a música de Schubert, consolou-se pensando ser uma bela trilha sonora para ter seu espírito levado pelo designo.

A música continuava e o coro agora estava esplendido. O medo crescera. Teve medo de abrir os olhos. Pensou na vida que teve, agradeceu a Deus. Rezou.

Sentiu a presença de alguém no ambiente. Ouviu ruídos que não soube descrever. Apavorou-se. Medo! Então transpirou e a partir daí não conseguiu mais se controlar. Seu corpo começou a denunciar todo medo que sentia naquele momento. Àquela altura ainda não conseguira abrir os olhos. Obscurecido pelo medo, ouvia Schubert e o coral, agora em volume mais alto.

O medo crescia cada vez mais e com ele o volume do coral e da orquestra. Contavam e tocavam a Missa Nº 6 em Mi bemol maior, D. 950 de Schubert ao fundo.

Não era conhecedor tão profundo da obra de Schubert. Pensou e não soube explicar como identificara a música com tamanho detalhamento. Ainda não tinha nem sequer uma vaga ideia de onde a música era executada. Ainda olhos fechados. Voltou a sentir a presença de algo que poderia ser qualquer coisa. Uma pessoa? Um espírito? Um monstro? Um animal? A morte? Morte?

Teve medo de morrer!

Resolveu arriscar-se. Num súbito sentiu o suor, o tremor, a dor, o pavor.

Abriu os olhos! A imagem borrada não tinha definição. Abriu e fechou os olhos. A imagem definiu-se e ele viu! Lá estava!

Estava em casa. Vira o vulto. A música já lhe apresentava ensurdecedora, agressiva. A música agora viva, maltratava-o. Música, volume, agressão: o vulto.

Lá estava o vulto. Pensou e declamou orações mentalmente. Estava com muito medo. O vulto veio até ele. O vulto era….

Sim era ele. Sim, era o indesejável. E lá estava ele, apenas um vulto. Apenas um vulto. Um borrão negro e ameaçador. O designo estava ali e não há como enganar ou postergar o designo. Era a sua hora. A última hora. A hora final. Aquietou-se. Aceitou.

Continuou ouvindo a música: Schubert. Pensou como era linda. Sentiu a música elevar-se. Ouviu o coral em seu apogeu e então…

Partiu.

Anúncios

Participe! Entre na conversa! Comente aqui.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s