Literatura Geek

Acordando no passado

the-past-otenso

Naquele dia acordou tarde, não porque podia, mas havia sem querer perdido a hora. Num súbito olhou para o relógio, viu as horas e saltou apressado da cama. Foi até o banheiro escovou os dentes e sentiu sua boca com gosto amargo de uma noite de sono mal dormida. Lavou o rosto e ao se olhar no espelho sentiu o peso de seus 38 anos, pouca idade para alguns, mas não para ele.

Foi lembrando devagar tudo que tinha que fazer, afinal era véspera de natal e não podia esquecer de nada. Foi então que após se vestir para sair às compras, decidiu fazer uma lista de tudo que tinha a fazer naquela manhã que na verdade á estava bem próxima do fim. Ao terminar a lista sentiu um frio na barriga e pensou que não daria tempo para resolver tudo a tempo para o natal.

(mais…)

Anúncios

Um dia, um café e a vida sem graça

Naquele dia acordou depressivo. Não que tivesse motivo para isso, mas sentia uma melancolia cinza e fria. Aos poucos a tal melancolia o fora consumindo ao longo de mais uma manhã sem graça, como a grande maioria de suas manhãs nos últimos meses. Tentou disfarçar e se convenceu de que sua atuação estava a contento, porém não fora essa a imagem decifrada por aqueles a quem encontrara naquela manhã. Resignado e ainda sentimentalmente confuso, avistou um Café. Passara por aquele caminho fazia anos sem que nenhuma grande mudança o alertasse significativamente, mas naquela manhã… Lá estava ele, sublime, charmoso e dotado de um magnetismo místico impossível de se negligenciar.

Como sempre estava atrasado, compromissos desestimulantes o aguardavam como sempre, rotina cruel de seus dias desinteressantes e sem graça. Sentia-se impotente diante de tentativas frustradas em promover, pelo menos até aquele momento, mudanças substanciais em sua vida. E por um minuto deixando de lado a razão e num impulso libertador, parou o carro no primeiro espaço que vira. Não se preocupou com leis que pudessem se impor ali e na verdade chegou a desejar que levassem seu carro embora, num súbito desejo por tornar aquele dia mais interessante e menos monótono que os demais.

Saiu do carro como se estivesse se libertando de tudo aquilo que viera carregando de mal naquela manhã cinza. Entrou no Café como quem já no leito de morte conquista mais alguns dias de vida. Sentou- se na primeira cadeira que avistou. Contemplou então o relógio onde vira a hora passar e sentiu um prazer sádico em ver que se atrasaria para os compromissos que o esperavam.

Parado recompondo muito lentamente sua consciência racional continuava a observar os minutos correndo no relógio imaginando o que seria necessário fazer para transformar por completo sua vida em algo mais interessante e foi então que se deu conta da presença de uma das atendentes do local: O Café. Ainda meio que sofrendo de um transe olhou para atendente e ela gentilmente lhe perguntou se desejava ver o cardápio.

Pensou, pensou e de repente algo o intrigou. Não conseguia mais lembrar quanto tempo permanecera sentado ali. Olhava o relógio mas não conseguia interpretar as horas. Em pânico novamente voltou-se a olhar para a atendente e viu que na sua frente, com olhares assustados, que havia mais que apenas uma atendente ali. Foi então que sua consciência veio retornando e ao olhar novamente viu além das atendentes mais um monte pessoas ali com olhares os mais variados, mistos de preocupação, espanto e alguns até de indiferença.

Perguntou sem especificar a quem, que horas eram e uma das atendentes lhe disse:

– SÃO TREZE HORAS.

A informação se impôs sobre ele como um soco direto no queixo. Voltou a ficar meio tonto e perdido e então soltou:

– Um expresso por favor. Estou com pressa e não posso demorar!

A atendente então ignorando o pedido perguntou de volta o arguindo se ele estava se sentindo bem.

– Bem? Estou muito bem obrigado! Apenas não consigo ler as horas.

– Ler as horas…

Nossa!!! Perguntou novamente que horas eram. A atendente então respondeu em tom já denotando sua falta de paciência.

– TREZE HORAS SR!

Ele então não disse nada. Recolheu o livro e o celular que estavam na mesma e foi saindo dizendo estar atrasado. Ao chegar na porta do Café procurou mas não localizou por ali seu carro e então pensou: Tudo certo, agora já sei que estou de volta e que tudo está normal. Seja bem-vindo a sua vida sem graça e agora sem carro! E sem pensar muito começou a caminhar sem destino.

Vook?

O mercado editorial não vem deixando por menos e em plena era da tecnologia, do visual e claro da internet, vem nos surpreendendo a cada dia. Mais ou menos a três semanas atrás publiquei aqui no blog um post sobre trailer de livros, uma maneira atraente e atual de atrair público leitor. O dinamismo que o setor editorial vem consolidando nos últimos anos chega a surpreender até aos mais recatados e conservadores leitores.

Tudo indica que a velocidade com que novas formas e formatos editoriais serão cada mais responsáveis por cativar novos leitores, por estar alinhada com o contexto em que estes novos amantes da literatura se inserem.

Penso que o livro vem experimentando um nível de interatividade e contemporaneidade como nunca poderíamos sequer imaginar. Um exemplo interessante reside no conceito denominado VOOK. Nascido da junção das palavras Vídeo + Book o VOOK vem prometendo revolucionar a forma como nos relacionamentos e devoramos nossos livros.

Interatividade, movimento e ação são apenas alguns dos pilares do VOOK que abre caminhos para se consolidar como ferramenta importante de sedução aos novos leitores, jovens e inseridos a cada dia mais cedo no mundo colaborativo da web.

Separei dois vídeos interessantes sobre VOOK que acredito serem bons exemplos para ilustrar mais essa inovação do mercado editorial e que em breve certamente estará em nossos smartphones, tablets, TV`s, dentre muitos outros eletrônicos que estão por ai. Aproveitem os vídeos.

Sobrenatural

Chegou em casa do trabalho com uma carga extra de tensão, elétrons saltavam fora de sua órbita cerebral, fugindo da intensa reação eletromagnética desencadeada por sensações estranhas que o incomodaram durante todo o dia. Sem saber a origem exata de todo aquele peso extra, jogou-se no sofá e então passou por um breve cochilo.

Acordou sem saber por quanto tempo permanecera ali sentado sozinho meio adormecido meio lúcido refletindo sobre todos os acontecimentos do dia. Foi então que sentiu novamente a sensação estranha que o incomodara durante todo o dia. Levantou-se, alongou o corpo dolorido e ao abrir os olhos devagar, olhou para o sofá de veludo preto e se viu ainda deitado lá adormecido. Num súbito arranco respirou como se tivesse prendido a respiração por tempo demais e estivesse a beira de sufocar. Tudo escureceu e sentiu que iria desmaiar e não viu mais nada.

Acordou novamente. A sensação de sufocamento apagara da memória o ocorrido e não mais se recordava de ter veistoa si mesmo dormindo no sofá tendo acordado da primeira vez. Sem preocupar-se com o sufocamento durante o cochilo, pensando ser mais um episódio de apneia durante o sono, resultado do cansaço e do stress, levantou-se e foi vagar pela cozinha a procura algo para comer. Realizara uma busca completa sem encontrar nada que o apetecesse para aquela hora e contentou-se com uma generosa colherada de leite condensado.

Continuou a vagar pela casa percorrendo o caminho rotineiro de todos os dias. Saiu da cozinha, passou pela sala, pegou a mochila, subiu as escadas. Chegando ao segundo andar da casa teve um insight, um lampejo, algo como um flash. Lembrou então que naquela noite acordara duas vezes. Como seria possível isso acontecer? Lembrou-se de ver a si próprio deitado no sofá adormecido, mas isso não fazia lógica alguma e pensando estar enlouquecendo se perguntou:

– Como posso ter acordado e ao levantar me deparar comigo mesmo ainda adormecido no sofá?

Continuou a vagar pelos cômodos do segundo andar, passou pelo escritório, biblioteca e por fim chegando ao corredor que dava acesso ao seu quarto se deparou novamente consigo mesmo, mas dessa vez não mais adormecido e sim acordado, de pé bem ali na sua frente. Um frio intenso começou a tomar conta de seu corpo, suas pernas estremeceram, aos poucos viu os sentidos se esvaírem um a um. Não conseguia entender o que se passava e teve medo de tentar se comunicar consigo mesmo ou com aquele outro eu que estava diante dele. Sentiu um pequeno choque bem no meio de seu cérebro, sua visão foi ficando turva, a respiração lentamente foi cessando enquanto o coração acelerado já demonstrava medo.

Alguns segundos se passaram e William desmaiou de vez. Durante os nano segundos de sua queda tentara entender sem sucesso como poderia haver dois Willians no corredor? O que estava acontecendo com ele?

O corpo caiu! William perdeu os sentidos. Estirado no chão, sozinho em casa, respiração fraca, sequelas e escoriações da queda…

Morto ou vivo? Sonho ou surrealidade? Delírio ou sobrenatural? O corpo caiu, no chão William permanece desacordado. Apesar de morar sozinho, repentinamente e sem explicação, surge um homem alto vindo do corredor, passos firmes, pouco cabelo, olhar enigmático, ares malignos e mãos que mais pareciam garras. O homem aproxima-se de William, vira seu corpo, olha bem para seu rosto. Imediatamente um frio intenso toma conta de sua região abdominal, enquanto paradoxalmente sua cabeça aquece deixando suas orelhas quentes e seus olhos ressecados e também vermelhos. Sem reconhecer a casa e nem ao menos conseguindo lembrar como fora parar ali, o homem coloca William no quarto, tenta reanimá-lo e quando William acorda… Continua…

Trailer de que?

Já faz algum tempo venho pesquisando e tomando contato com novas formas de me relacionar com a literatura. Essa busca de início mera curiosidade foi evoluindo chegando hoje a ser necessidade constantemente presente em meus dias. A paixão por livros e literatura me fez enveredar por caminhos nada convencionais e não raro às vezes acho que me transformei em uma pessoa excêntrica demais ou quem sabe até meio doido mesmo.

O fato é que minha vontade de promover a literatura e sua magia tem dado alguns bons frutos. Um dos principais deles foi a descoberta de que é possível com alguma criatividade tornar a leitura algo tão atraente como qualquer outro meio de difusão cultural. Aqui no blog vou passar a postar mais sobre essas experiências e descobertas de soluções que podem ajudar a disseminar o interesse e a regularidade da leitura nas pessoas, principalmente nos jovens.

A descoberta que relato aqui hoje é na minha opinião uma adaptação das mais criativas. Algumas editoras tem se esforçado na criação de trailers de livros que são lançados. A função do trailer é divulgar o lançamento do livro de maneira mais interessante, utilizando para isso mídias com alcance de massa maior do que as resenhas publicadas em jornais, revistas ou mesmo os sites, ainda muito estáticos (WEB 1.0?) das editoras.

Com o vídeo (trailer) cria-se um ambiente amistoso àqueles ainda iniciantes na leitura e facilita a disseminação da divulgação em redes sociais como Twitter, facebook ou sites de vídeo como VIMEO ou YouTube. Estando presente em redes sociais com linguagem moderna e vídeos bem dirigidos, as editoras atngem um público até então alheio aos lançamentos, dado o contato ainda muito tímido e em alguns casos até inexistente com resenhas e outras formas convencionais de divulgação de lançamentos editoriais.

Pode parecer ambíguo divulgar lançamento de livros em trailers como filmes de cinema e alguns mais céticos podem até mesmo duvidar de sua efetividade como meio de propagação de lançamentos, mas nesse ponto peço desculpas aos céticos de plantão, pois na minha opinião essa ideia ainda vai descobrir muito leitor preso em seus armários virtuais na web como Twitter, Facebook, Blogs ou YouTube. A meu ver redes sociais, filmes, blogs e web nada mais são que meios de comunicação onde a leitura está e sempre estará presente, seja em apenas 140 caracteres ou em grandes vídeos com legendas e outros tantos mais. Abaixo dois exemplos de trailers de livros. O primeiro compartilhado pelo usuário do YouTube de nome FelipeCaspian que ao que tudo indica foi fruto de produção independente e de muita qualidade a meu ver. O Segundo mostra vídeo da editora companhia das letras muito bem produzido. Aproveitem!!!